O desenvolvimento da Visão para os próximos 50 anos da Cidade é um exercício aspiracional. Mesmo com as incertezas que cercam este tipo de esforço, potencializadas pela atual velocidade das mudanças, devemos levar em conta 5 grandes tendências. São elas:

 

 

 

Tendência 1: Envelhecimento da população

Em 2065, os idosos vão representar 36% da população carioca.

O envelhecimento da população já é uma realidade. É estimado que, em 2040, uma em cada quatro pessoas terá mais do que 65 anos nos países desenvolvidos e também na China. Nos próximos 15 anos, a população brasileira passará por um rápido processo, praticamente dobrando o percentual de idosos para 19%.
O Rio de Janeiro está envelhecendo ainda mais rápido do que a média brasileira e, portanto, será uma das primeiras cidades a sentir os efeitos. Sua população idosa representará 36% da população em 2065, uma mudança substancial em relação aos 16% observados em 2015.
Da melhoria de acessibilidade às condições para um envelhecimento mais saudável e ativo, a discussão da Visão Rio 500 considerou diversas implicações de uma cidade com maior quantidade de idosos.

 

 

 

Tendência 2: Mudanças climáticas

A elevação do nível do mar e as fortes chuvas são as maiores preocupações.

Nesses últimos anos, o mundo começou a sentir os primeiros efeitos das mudanças climáticas com o aumento médio da temperatura e a intensificação de fenômenos naturais.

Alguns desses impactos, nos próximos 50 anos, serão especialmente mais impactantes para a cidade do Rio de Janeiro, como a elevação do nível do mar e o aumento dos riscos geológicos, devido a fortes chuvas, e dos riscos para a saúde, com a intensificação das ilhas de calor.

Essas questões são abordadas na Visão Rio 500 através da discussão sobre a adaptação e o aumento da resiliência da Cidade a eventos inesperados, as formas de mitigação do aquecimento global através da redução das emissões e preparação para uma economia de baixo carbono.

 

 

 

Tendência 3: Maior integração e conectividade

É fundamental desenvolver a cidadania e o respeito à diversidade.

Nas últimas décadas, a globalização econômica se tornou realidade com um aumento significativo no fluxo de comércio e pessoas e de integração entre os países. Veja como:
- Entre 1990 e 2013, o volume do comércio global cresceu quase dez vezes, saindo de 1,8 trilhão para 17 trilhões de dólares;
- Em 2013, mais de um bilhão de pessoas cruzou as fronteiras entre países, cinco vezes mais do que em 2009.
Esse salto de conectividade traz implicações importantes para a economia e a organização da sociedade da cidade do Rio de Janeiro.
A reflexão sobre a matriz econômica da cidade do Rio de Janeiro se torna ainda mais importante em um cenário de competitividade global.
E, com a redução das distâncias geográficas, se intensifica a necessidade de incentivar a convivência de indivíduos de origens, tradições, crenças, etnias, línguas e costumes diferentes em centros urbanos cada vez mais multiétnicos e multiculturais. Nesse sentido, aumentou a necessidade de desenvolver a cidadania dos cariocas, promovendo a convivência harmoniosa e o respeito à diversidade.

 

 

 

Tendência 4: Avanço da tecnologia

A tecnologia poderá oferecer soluções inovadoras para os problemas da cidade.

Os avanços tecnológicos estão acelerando e devem continuar a mudar o nosso modo de viver e trabalhar. Um estudo do McKinsey Global Institute apontou 12 tecnologias que surgem com potencial de causar um total rompimento no modo como trabalhamos, em quatro categorias: IT (internet móvel, tecnologia cloud, internet das coisas e automação de conhecimento), energia (armazenagem, exploração e geração de energia), máquinas (robótica, impressão 3D e veículos autônomos) e componentes de materiais (genética e materiais avançados). Essas 12 tecnologias juntas podem representar um potencial econômico entre 14 trilhões e 33 trilhões de dólares por ano até 2025.

Esses potenciais saltos tecnológicos influenciaram a construção da Visão Rio 500 através de discussões sobre soluções inovadoras para problemas crônicos existentes, como a poluição dos ativos naturais, e para novas oportunidades de atividades econômicas para a cidade, como energia renovável e ciências da vida. Além disso, reforçaram a necessidade de maiores investimentos em tecnologia de informação e comunicação por parte dos setores públicos e privados.

 

 

 

Tendência 5: Expansão do conhecimento

Com as redes sociais, a participação popular no debate público vai ser cada vez maior.

A popularização da internet e das redes sociais democratizou o acesso à informação e acelerou a velocidade com que ela flui entre as pessoas, resultando em uma revolução da participação popular no debate público.
Esse maior engajamento teve grande influência, não apenas no conteúdo da Visão Rio 500 e do Planejamento Estratégico, mas também no processo de construção que buscou utilizar as mais diversas tecnologias para incentivar a participação através de redes sociais, plataformas digitais e de live streaming.

Na Visão Rio 500, foi considerado que o acesso à informação e ao conhecimento devem levar a uma maior participação da população também na solução dos problemas.